Você está aqui Mundo Educação Química Química presente em alimentos Adoçantes artificiais e naturais

Adoçantes artificiais e naturais

Adoçantes artificiais e naturais
O consumo de adoçantes é saudável?
O açúcar comum foi taxado como vilão, e para substituí-lo surgiram os adoçantes artificiais com a promessa de oferecerem melhor qualidade de vida para seus usuários. E aí, você acredita nessa história? Os efeitos secundários provocados pelo uso frequente de adoçantes podem ser mais perigosos que a própria ingestão de sacarose. Um dos problemas é o aumento da propensão ao câncer.

Essa preocupação fez com que pesquisadores se dedicassem à descoberta de adoçantes naturais, como por exemplo, o esteviosina. Esse adoçante é retirado da planta estévia.

Vejamos primeiro a evolução dos adoçantes artificiais:

1897: a sacarina foi lançada no mercado, possuía poder de adoçar 200 vezes mais que a sacarose.


Molécula de sacarina

1940: surgiu o Ciclamato de sódio, cerca de 30 vezes mais doce que a sacarose.

1965: os adoçantes ganharam a popularidade através do Aspartame, o adoçante da época é usado até hoje, e é cerca de 180 vezes mais doce que o açúcar comum, veja sua fórmula: 



Conheça agora alguns dos adoçantes naturais:

Mel de Arroz - possui um grande teor de maltose e carboidratos complexos, e uma textura de xarope. O sabor é concentrado e a doçura suave.

Amasake - adoçante natural consumido tradicionalmente no Oriente. É produzido a partir de arroz integral e outros cereais, e possui textura consistente.

Mel comum – mistura natural de glucose e frutose, duas vezes mais doce do que o açúcar.

Assuntos Relacionados



Deixe seu comentário para

Adoçantes artificiais e naturais








1 comentários

Faça seu Login

  • domingo | 30/10/2011 | Denizia V. de...
    Usuário

    Eu achei muito interessante por que o adoçante pode ser prejudicial para a nossa saúde.