Movimento feminista
O feminismo: movimento que marcou as várias transformações ocorridas na década de 1960.

A década de 1960 significou um ponto de grandes inflexões para a sociedade contemporânea. Nos EUA, o “baby-boom” do pós-guerra estabeleceu o surgimento de uma geração de jovens inseridos na prosperidade material e tecnológica de um mundo em plena transformação. As novas conquistas obtidas no campo dos transportes, da medicina e da eletrônica causavam a configuração de uma época aparentemente cingida pelo signo da modernidade.

Contudo, observamos também a deflagração de uma revisão de valores responsável pela transformação dos papéis ocupados por homens e mulheres na sociedade. Já durante a Segunda Guerra, a maciça inserção das mulheres no mercado de trabalho estabeleceu um novo campo de possibilidades para aquela que antes era vista como a “rainha do lar”. A partir desse processo de relativa emancipação, muitas delas reivindicaram novos campos de conquista nunca antes imaginados.

Quando alcançamos a década de 1960, o advento da pílula anticoncepcional permitiu uma libertação dos comportamentos sexuais antes restritos à monogamia e às relações matrimoniais. Paralelamente, o meio intelectual também passou a se voltar para a essa questão com a difusão de livros de autoras que se interessavam em desconstruir o papel da mulher na sociedade. Entre outras obras, podemos destacar “O Segundo Sexo” de Simone Beauvoir e “A mística do feminino” de Betty Friedan.

A partir de então, muitas mulheres saíram às ruas com o intuito de reivindicar os mesmos direitos assegurados pela constituição liberal de seus países. Entre outras questões, lutavam para que as faixas salariais de homens e mulheres fossem devidamente equiparadas. Nesse aspecto, percebemos que entre as décadas de 1960 e 1970 o feminismo havia se consolidado enquanto movimento político integrado a muitas outras bandeiras de lutas civis e minoritárias.

Em resposta a tais movimentações, aconteceu a adoção de várias políticas de igualdade que visavam responder aos anseios estabelecidos no período. Instituições de defesa dos direitos das mulheres e outros órgãos de natureza governamental passaram a sensibilizar outras parcelas da sociedade com respeito a essa causa. Com isso, observamos que muitas bandeiras de luta passaram a ser prestigiadas pela aprovação de leis específicas.

A partir da década de 1980, o feminismo pareceu perder a sua força. A causa deixou de ser uma meta a ser alcançada depois que os próprios representantes do Estado reconheceram a legitimidade de tais reivindicações. Contudo, essa faceta da história contemporânea ainda se desdobrou em uma mudança de comportamento que rompeu com os paradigmas tradicionais da família e, até mesmo, do homem. A vitória feminista ainda ecoa em transformações ainda visíveis no nosso cotidiano.

Por Rainer Sousa
Mestre em História

Assuntos Relacionados



Deixe seu comentário para

Movimento feminista








26 comentários

Faça seu Login

  • segunda-feira | 17/09/2012 | Nunuim
    Usuário

    Muito bom o site e muito bom essa matéria, copiei e colei pra colocar no meu trabalho

  • sexta-feira | 10/08/2012 | renata
    Usuário

    pouco a pouco vamos ganhando nosso espaço; pois somos capaz e não desistimos nunca de lutar pelos nossos direitos.

  • quinta-feira | 21/06/2012 | leticia taline...
    Usuário

    bom os homens são muito machistas acham que as mulheres nao tem jeito pra fazer nada por isso eu concordo com o movimento feminista..

  • domingo | 10/06/2012 | Brenda
    Usuário

    Acho que todos nós temos nossos direitos e deveres independente de raça cor ou sexo.As mulheres devem sim cuidar de seus direitos mas, com a consciência de que se tratada como homem terá os mesmos deveres que ele e isso acarretará em vários problemas e conflitos mal vistos pela sociedade.