Você está aqui Mundo Educação História do Brasil Brasil Colônia Revoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
Tiradentes (esq.) e Cipriano Barata (dir.): personagens marcantes das revoltas coloniais brasileiras.
Ainda hoje, muitos historiadores pensam sobre como o Brasil conseguiu dar fim a dominação colonial exercida pelos portugueses. O interesse pelo assunto promove uma discussão complexa que interliga as transformações intelectuais e políticas que tomaram conta do continente europeu e o comportamento das ideias que sustentaram a luta pelo fim da ingerência lusitana. Por fim, tivemos que alcançar nossa autonomia graças ao interesse de sujeitos diretamente ligados ao poder metropolitano.

No século XVIII, podemos observar que algumas revoltas foram fruto da incompatibilidade de interesses existente entre os colonos e os portugueses. Algumas vezes, a situação de conflito não motivou uma ruptura radical com a ordem vigente, mas apenas a manifestação por simples reformas que se adequassem melhor aos interesses locais. Usualmente, os livros de História costumam definir essas primeiras revoltas como sendo de caráter nativista.

Outras rebeliões desenvolvidas no mesmo século XVIII tomaram outra feição. As chamadas rebeliões separatistas pensavam um novo meio de se organizar a vida no espaço colonial a partir do banimento definitivo da autoridade lusitana. Em geral, seus integrantes eram membros da elite que se influenciaram pelas manifestações liberais que engendraram a Independência das Treze Colônias, na América no Norte, e a Revolução Francesa de 1789.

Mesmo preconizando os ideais iluministas e liberais, as revoltas acontecidas no Brasil eram cercadas por uma série de limites. O mais visível deles se manifestava na conservação da ordem escravocrata e a limitação do poder político aos membros da elite econômica local. Além disso, ao contrário do que apregoavam muitos historiadores, essas revoltas nem mesmo tinham a intenção de formar uma nação soberana ou atingir amplas parcelas do território colonial.

Entre os principais eventos que marcam a deflagração das revoltas nativistas, destacamos a Revolta dos Beckman (1684, Maranhão); a Guerra dos Emboabas (1707, Minas Gerais); a Guerra dos Mascates (1710, Pernambuco); e a Revolta de Filipe dos Santos (1720, Minas Gerais). As únicas revoltas separatistas foram a Inconfidência Mineira, ocorrida em 1789, na região de Vila Rica, e a Conjuração Baiana, deflagrada em 1798, na cidade de Salvador.

Seções de "Revoltas Coloniais"

As revoltas nativistas revelam a insatisfação dos colonos com alguns pontos do pacto colonial.

Rebeliões Nativistas

Os conflitos que buscavam a reforma das exigências coloniais.

Escravos e populares tiveram participação no desenvolvimento da Conjuração Baiana.

Rebeliões Separatistas

Os conflitos que visavam ao fim do pacto colonial lusitano.



Deixe seu comentário para

Revoltas Coloniais








62 comentários

Faça seu Login

  • segunda-feira | 15/09/2014 | gislaine moura
    Usuário

    gostei do resumo,me ajudou bastante !!!

  • sábado | 16/08/2014 | carol
    Usuário

    muito bom esse site me ajudou muito.....

  • sábado | 26/04/2014 | mariena
    Usuário

    adorei me ajudou com o trabalho

  • terça-feira | 21/05/2013 | samyra
    Usuário

    esse site me ajudou bastante para as pesquisas da escola