Você está aqui Mundo Educação Geografia Geografia humana do Brasil Violência urbana no Brasil

Violência urbana no Brasil

Violência urbana no Brasil
Cenas como essa tem se tornado comum em muitas cidades brasileiras.
É inegável que vivemos dias difíceis, a violência em toda sua plenitude tem envolvido grande parte da sociedade mundial. No Brasil, a violência tem feito milhares de vítimas, em alguns casos esse ato é praticado pela própria família, além de inúmeros outros ocorridos nas ruas.

Ao observarmos o quadro atual da violência urbana, muitas vezes não nos atentamos para os fatores que conduziram a tal situação, no entanto, podemos exemplificar o crescimento urbano desordenado. Em razão do acelerado processo de êxodo rural, as grandes cidades brasileiras absorveram um número de pessoas elevado, que não foi acompanhado pela infraestrutura urbana (emprego, moradia, saúde, educação, qualificação, entre outros); fato que desencadeou uma série de problemas sociais graves.

A violência urbana tem ocasionado a morte de milhares de jovens no Brasil, é o principal fator de mortandade dessa faixa etária.
A criminalidade não é um “privilégio” exclusivo dos grandes centros urbanos do país, entretanto o seu crescimento é largamente maior do que em cidades menores. É nas grandes cidades brasileiras que se concentram os principais problemas sociais, como desemprego, desprovimento de serviços públicos assistenciais (postos de saúde, hospitais, escolas etc.), além da ineficiência da segurança pública. Tais problemas são determinantes para o estabelecimento e proliferação da marginalidade e, consequentemente, da criminalidade que vem acompanhada pela violência.

Os bairros marginalizados das principais cidades brasileiras respondem por aproximadamente 35% da população nacional, nesses locais pelo menos a metade das mortes são provocadas por causas violentas, como agressões e homicídios. Isso é explicado quando nos deparamos com dados de São Paulo e do Rio de Janeiro, onde 21% de todas as mortes são provenientes de atos violentos.
Essa situação retrata a ineficiência do Estado, que não tem disponibilizado um serviço de segurança pública eficaz à sua população. Enquanto o poder do Estado não se impõe, o crime organizado se institui como um poder paralelo, que estabelece regras de ética e conduta própria, além de implantar fronteiras para a atuação de determinada facção criminosa.

Algumas cidades do país apresentam um percentual de mortandade proveniente de atos de violência que equivale aos do Iraque, país em guerra.
O Brasil responde por 10% de todos os homicídios praticados no mundo, segundo dados de um estudo realizado a pedido do governo suíço, divulgado no ano de 2008, em Genebra.

Assuntos Relacionados



Deixe seu comentário para

Violência urbana no Brasil








149 comentários

Faça seu Login

  • quarta-feira | 12/03/2014 | amanda
    Usuário

    na minha opinião a violência ñ leva a lugar nem um e também a violência leva muita vez a vida de inocentes !!!!!

  • domingo | 26/01/2014 | aulo marcio
    Usuário

    a democracia ja matou 300mil vezes mais que a ditadura e ninguem fala nada pramim isso não é democracia isto virou anarquia. durante a ditadura eu andava de onibus tranquilo ia a praia pescar a noite, ia a restaurante nunca fui assaltado. consegui emprego comprei casa. casa que tive que vender devido a violencia que a democracia gerou. tem muita gente ganhando dinheiro com esta onda de crime virou uma industria.e falar que eu levantei a bandeira da democracia estou tão arrepedido decepcionado,fazer oque

  • quinta-feira | 05/12/2013 | nicole
    Usuário

    gostei muito min ajudou bastante

  • segunda-feira | 31/03/2014 | victoriakarolline
    0 1

    Aulo márcio,, fez bem levantar a bandeira da democracia pois a mesma no papel é perfeita oque devemos fazer é não abaixar a guarda e ficar calado reclamando pois de nada adiantará temos que agir e se precisar levantar a bandeira de novo para conseguir um brasil justo e digno na qual esta no papel levantarei porque precisamos evoluir mais e mais e não regredir pensando pequeno e querendo de volta uma ditadura sem liberdade.